Mundo & Sociedade

Sede de justiça ou sede de vingança? Uma breve reflexão sobre a maioridade penal

João Carlos
Escrito por João Carlos

Porque punir é mais fácil que educar. 

Na internet não se fala sobre outra coisa nas últimas semanas, e esse assunto polêmico tem dividido opiniões. Uns defendem a punição como solução para o crime, outros acham que não. Afinal, qual a nossa expectativa em relação à redução da maioridade penal? Mais justiça? Maior combate ao crime? O fim da impunidade no Brasil?

Em minha opinião, se caso a PEC 171 for aprovada, além da ideia utópica de acreditar que realmente teremos bons resultados, ainda estaremos tornando as coisas piores do que já estão. Mais adiante direi o porquê penso assim.

Não quero desmerecer a dor de ninguém. Quem me conhece, sabe que perdi meu pai aos oito anos de idade, consequência de um assalto à mão armada. Mas nunca alimentei  nenhum rancor em relação à pessoa que fez isso, fosse menor ou não. Sei que nenhuma punição no mundo irá trazer meu pai de volta. Não estou dizendo que quem fez não deve ser punido, estou querendo dizer, que o problema é muito mais profundo do que se pensa. E lutar contra os efeitos e não contra as causas, é tapar o sol com a peneira.

O sistema carcerário nacional já provou não ser capaz de “melhorar” ninguém. No geral, a justiça quando age somente na punição, resolve um problema temporariamente. Ou seja, quando o indivíduo sai da cadeia, não sai melhor, sai de lá mil vezes pior, e na melhor das hipóteses, quando sai desejando ter uma vida digna, ele não consegue emprego, sofre com o preconceito da sociedade, e tem que carregar um carma de ex-presidiário por toda a vida, vivendo sei lá do que. Responda: Se você tivesse uma empresa, contrataria um ex-detento que foi preso por furto? Seja sincero!

Vejo, no entanto, que o sentimento predominante na maioria, não é um sentimento de justiça, e sim de vingança.

O conceito de Justiça é amplo, e abrange não só você e sua família, mas toda a sociedade, e inclusive o bandido. Você talvez pense que justiça sirva apenas para garantir seus direitos e punir quem não obedece a Lei. Mas e a justiça quanto ao bandido? Será que ela foi aplicada antes dele ter se tornado um criminoso?

"A redução da maioridade penal é o PROUNE da criminalidade. Vai levar criminosos amadores ao profissionalismo que só a Universidade do Crime pode ensinar (as cadeias e penitenciárias)." Ariovaldo Carlos Jr.

“A redução da maioridade penal é o PROUNI da criminalidade. Vai levar criminosos amadores ao profissionalismo que só a Universidade do Crime pode ensinar (as cadeias e penitenciárias).” Ariovaldo Carlos Jr.

Como você acha, que um menino que nasce em meio à criminalidade, que vive completamente a margem da sociedade, que na escola, ninguém senta perto dele por medo só porque ele mora na favela, vai se sentir? O mundo do crime se torna o único refúgio capaz de fazer com que se sintam gente, pois, só assim poderão ter algum tipo de respeito. Sabe por quê? Porque não importa para o Estado tratar esses menores como gente, não importa dar educação a eles, não importa se eles estão doentes.

Vemos a justiça se aplicando a eles? NÃO! Justiça para essa gente é apenas sinônimo de punição. Mas para o bem, ela é invisível.

Não defendo a impunidade. No caso de menores infratores, se o estatuto da criança e do adolescente fosse devidamente aplicado, teríamos chances de reabilita-los. Mas para nós é muito mais fácil mandar pra cadeia, e sabe Deus o que passarão lá, e como sairão de lá.

Até quando vamos jogar a poeira para debaixo do tapete?

É claro que cada um tem o direito de ter a opinião que quiser acerca disso, apenas deixei claro o que eu penso, e respeito quem pensa o contrário, mas gostaria de ver os mesmos que lutam pela redução da maioridade penal lutando pela Educação e Cultura no Brasil, pois essa sim seria capaz de mudar nosso País. Queremos que haja punição, mas ignoramos a criança que nos pede dinheiro no sinal. Queremos que haja punição, mas não temos coragem de dizer “bom dia” para uma criança que vive nas ruas. Queremos que haja punição, mas quando temos oportunidade de ajudar, nos fazemos de cegos. E agora, queremos punir as vítimas da nossa indiferença.

Pedir JUSTIÇA ao Estado não é pedir apenas o combate à impunidade, é pedir mais educação, cultura, e oportunidades para que todas as pessoas tenham a chance de ter uma vida digna.

Educação é, e sempre será o caminho mais longo e trabalhoso. Pena que isso não convém ao nosso Governo.

 


 

Gostou do texto? Discorda? Não tem problema. Só não pode deixar de comentar! 🙂

 

Sobre o autor

João Carlos

João Carlos

João Carlos é um maltrapilho anônimo brincando de ser escritor. Em dias comuns, trabalha para sustentar seu vício em café e chocolate. Na folga, gasta a maior parte do seu tempo colecionando pensamentos subversivos. Repudia clichês, mas não resiste a uma alma sincera.