Psicologia & Comportamento

Libere seus sentimentos para uma vida mais plena.

sentimentos
Karla Kratschmer
Escrito por Karla Kratschmer

Sentimentos reprimidos podem gerar sérios problemas emocionais.

Depois de ver os inúmeros compartilhamentos de uma imagem nas redes, que dizia “Permita-se ser o que você quiser nessa vida, menos infeliz”, fiquei pensando sobre quantas vezes o mundo não nos permite sentir.

A importância dada para a felicidade e somente para ela, nos leva muitas vezes a privação do sentimento. Você pode demonstrar estar feliz, mas não pode falar sobre sentir-se depressivo, por exemplo.

Em algumas culturas até mesmo a expressão da felicidade não é bem aceita, é como se mostrar sentimentos fosse uma fraqueza. Repare nos jogos das Olimpíadas, por exemplo, o quanto a reação dos atletas difere de país para país.

Entrar em contato com os sentimentos também pode ser mais difícil para o sexo masculino, considerando uma cultura que educa na base do famoso “engole o choro!”. Claro que isso não é exclusivo dos homens, há mulheres que também tiveram essa educação e hoje têm maior dificuldade em lidar com os sentimentos.

Um exemplo bastante comum para a privação do sentir está no período de luto, onde muitas vezes familiares e amigos não permitem que o enlutado chore e lamente a sua dor. Quando aquele deveria ser um período em que a pessoa pudesse sentir e falar. Isso faz parte do processo do luto.

Tudo aquilo que a gente não conhece e não tem domínio assusta. E não é diferente com os sentimentos. Quando não nos permitimos sentir, passamos a evitar, ignorar, negar e em determinado momento tal sentimento pode surgir com uma proporção bem maior do que a que seria esperada. E como lidar se não se sabe nem mesmo o que sente?

Um exercício importante para o dia a dia é tentar perceber o que está sentindo e nomear; “Eu senti raiva”, “Eu senti tristeza”, “Eu senti felicidade”, etc. E a partir daí tentar perceber o que há por trás de cada sentimento. O que não podemos é somatizar.

Então – desde que não prejudique o seu dia a dia e as pessoas a sua volta de modo que o principio básico de convivência seja violado – permita-se ser e sentir tudo o que você quiser nessa vida e falar sobre isso.

Fonte
Texto originalmente publicado no site www.psicologakarlak.com.br.

Sobre o autor

Karla Kratschmer

Karla Kratschmer

Karla Kratschmer atua na área clínica com uma psicoterapia de base psicanalítica para adultos, adolescentes e casais.
O consultório fica localizado no bairro Chácara Santo Antônio, na ZS de São Paulo/SP, na região das ruas Verbo Divino e Alexandre Dumas.

Oferece atendimento particular, por plano de saúde via reembolso, ou pelo PROGRAMA DE PSICOLOGIA DIFERENCIADA.
Contato: (11) 9-9613-5444 (chamadas e WhatsApp) | www.psicologakarlak.com.br