Crônicas & Poemas

Despedida

João Carlos
Escrito por João Carlos

Sobre o poder que uma despedida tem de nos fazer enxergar a singularidade das coisas.

Passamos todos os dias pelos mesmos lugares sem nunca percebermos nada, mas basta uma última vez, para que então tudo ganhe brilho e significado.

O dia de ir embora definitivamente chegou. É chegada a hora de me despedir das amizades feitas aos longo dos anos. Em meio a promessas de que manteremos contato e que nada irá mudar, na verdade, eu sei: não será assim. Salvo algumas raras exceções.

O dia da partida é sempre estranho. Há uma grande tendência à relativização de tudo o que é dito e ouvido. Nossos sentidos são aguçados, os olhos ficam atentos a tudo. A rotina, antes entediante, de repente se torna um objeto de desejo e de saudade. Incrível como que em um minuto toda a visão de mundo pode mudar, apenas porque toda mudança traz consigo uma certa atenção plena.

Passamos todos os dias pelos mesmos lugares sem nunca percebermos nada, mas basta uma última vez, para que então tudo ganhe brilho e significado. Cheguei à conclusão de que eu quero uma vida cheia de despedidas. Só assim, quem sabe, conseguirei captar a essência do que é ser um humano de verdade, e viver intensamente um dia após o outro.

A rotina só será uma realidade para quem tem medo das surpresas trazidas pela singularidade de cada dia.

Sobre o autor

João Carlos

João Carlos

João Carlos é um maltrapilho anônimo brincando de ser escritor. Em dias comuns, trabalha para sustentar seu vício em café e chocolate. Na folga, gasta a maior parte do seu tempo colecionando pensamentos subversivos. Repudia clichês, mas não resiste a uma alma sincera.