Desenvolvimento Pessoal

Ansiedade pode limitar chances de sucesso.

Ansiedade
João Carlos
Escrito por João Carlos

Entenda como a ansiedade inviabiliza a realização dos seus sonhos.

Se você anda preocupado demais em atingir seus objetivos e acha que quanto mais ansioso e apreensivo estiver, mais estará focado e perto de alcançar aquilo que mais deseja, cuidado! O tiro pode sair pela culatra e você pode acabar alcançando aquilo que menos deseja: o fracasso.

Nunca, em toda a história da humanidade, estivemos tão ansiosos. O ritmo frenético das grandes cidades tem enlouquecido aos poucos o mundo moderno. E não é só do lado de fora que as coisas parecem estar aceleradas − nossos pensamentos estão cada vez mais atrapalhados atropelando-se entre si. Estar ansioso é ter a impressão de que entraremos em colapso a qualquer momento.

Com tanto estímulo, fica mais difícil manter um pensamento conciso e organizado. Enquanto fazemos uma coisa, já estamos pensando na próxima, e no outro dia, e por que não daqui a 10 anos?

Essa desordem mental desemboca toda na ansiedade. O mal do século. Alguns especialistas no assunto dizem que a ansiedade pode estar vinculada à causa de várias doenças graves, como o câncer, por exemplo. Afinal, com a mente doente, seu corpo padece e um dia resolve cobrar a conta. Não adianta achar que uma coisa funciona sem a outra.

O ansioso é esse indivíduo que tem grande dificuldade de concentração, pois gasta demasiada energia e tempo se preocupando com o futuro. O momento presente nunca o terá por completo. Sua atenção sempre estará sendo dividida com algo mais. Abre parênteses. Hoje com o acesso fácil à internet através de qualquer smartphone, em qualquer lugar, ficou ainda mais difícil ter a atenção de alguém. As pessoas estão sempre imersas num mundo paralelo digital e depois questionam a causa de seu mal estar. Se você tem algum amigo que não olha o celular de minuto em minuto enquanto conversa com você, valorize-o. Fecha parênteses.

O ansioso também pode apresentar extrema baixa autoestima, pois, sem concentração o suficiente, praticamente nada do que ele faz dará certo. Resultando em algo mais ou menos assim: Tudo dando errado = medo do futuro = ansiedade = depressão (e por aí vai…)

Uma coisa levando à outra, como um efeito dominó.

Resultados positivos nos estimulam a continuar e nos ajudam a nos sentirmos bem com nós mesmos e úteis para o mundo. A baixa autoestima chega quando não há resultados positivos e pouco ou nenhum reconhecimento. Quanto mais o ansioso se preocupa, mais ele se distancia do presente, acumulando uma série de derrotas e decepções consigo mesmo.

Estar ansioso é como dividir-se em dois, mantendo o corpo no presente e a mente no futuro. Imagine a cena: sua mente com a atenção voltada à sua vida lá na frente. Ela não pode fazer nada, porque, obviamente o futuro ainda não aconteceu. Ela só planeja e observa, mas não pode realizar nada sozinha. Enquanto sua mente está lá pensando em como será daqui a 20 anos, seu corpo está aqui, no presente: completamente imóvel enquanto recebe as pancadas da vida. Corpo sem a mente padece. Mente sem o corpo não sai do lugar. É com esse bloqueio interno que vive o ansioso.

Não quero aqui ser demagogo em dizer que devemos ser completamente “zens” e viver como se não houvesse amanhã focando-nos no presente sem considerar o futuro. Eu sei que algumas preocupações são legítimas, e devemos pensar e nos planejarmos para os dias vindouros. O que devemos ter cuidado, é para não cair no erro de pôr a carroça da frente dos bois. Não adianta se preocupar demasiadamente com seu futuro se você negligencia totalmente aquilo que pode – e deve – fazer agora.

Portanto, o que digo hoje para um ansioso (sobretudo, para mim mesmo) é que desacelere! Pise no freio, reduza a marcha e vá devagar. Parafraseando Martinho da Vila, nós chegamos muito mais longe sendo constantes do que sendo rápidos. É devagar que a gente chega lá.

Sobre o autor

João Carlos

João Carlos

João Carlos é um maltrapilho anônimo brincando de ser escritor. Em dias comuns, trabalha para sustentar seu vício em café e chocolate. Na folga, gasta a maior parte do seu tempo colecionando pensamentos subversivos. Repudia clichês, mas não resiste a uma alma sincera.